Um desenho não é só um desenho

Desenhos, também conhecidos como entregáveis são muito mais que o papel e a tinta; o valor vai muito além do que custa a sua plotagem.

Eles são usados em várias etapas da construção como transmitir os conceitos iniciais, agregar diferentes disciplinas, compatibilizar projetos, detalhamento para fabricação, guiar o processo construtivo e finalmente servir de documentação da obra construída.

Por trás dos desenhos estão horas de trabalho de profissionais qualificados, a experiência da empresa em solucionar problemas e apresentar as melhores soluções. Eles trazem também a evolução dos conhecimentos que proporciona a melhoria contínua da qualidade e, naturalmente, a garantia de que este trabalho todo será remunerado, garantindo assim a longevidade da companhia. A tudo isso, podemos chamar de propriedade intelectual, que é o verdadeiro valor dos desenhos.

 

No início eram feitos em papel vegetal e tinta nanquim, por projetistas que utilizavam pranchetas, depois migraram para softwares CAD e agora a evolução natural os transformou em modelos tridimensionais recheados de muito mais informações do que as linhas e anotações poderiam comportar.

Nesse mesmo contexto, a concepção e evolução constante dos softwares envolve centenas de profissionais qualificados e muitas horas de trabalho. Ano a ano, os softwares sofrem transformações, adicionando funcionalidades requisitadas pelos usuários globalmente, com a finalidade de aumentar a produtividade, reduzir custos nos processos construtivos e aumentar a qualidade das entregas e do ambiente de negócios. Assim como os desenhos de projeto, os softwares são bens intangíveis, propriedade intelectual e acompanhar a sua evolução é fundamental para a concepção e execução de empreendimentos de engenharia mais aderentes às crescentes demandas por maior qualidade nas entregas, maior previsibilidade e no menor prazo possível.